publicidade
Laurie Locci Pires
1-
Nome:King
Raça:Lhasa Apso
2-
Nome:Tobby
Raça: Labrador
3-
Nome:Mimi
Raça:SRD
4-
Nome:Belinha
Raça:Maltes
5-
Nome:Jeff Tweedy
Raça:Calopcita
Conheçam a "Toca dos Gatinhos"!
Compartilhe essa entrevista  |
A Toca dos Gatinhos é um grupo de voluntários que, com muito amor e sacrifício, resgata e encaminha para adoção gatos abandonados em São Paulo, Capital.
 
A equipe é formada por: Albert , Marici, Ivanilde, Vanessa, Fernanda e Lili. Cada um possui uma função mais do que especial.
 
Como o projeto não possui abrigo, os gatos ficam em lares temporários. Em alguns casos, pagam a hospedagem para gatos em clínicas veterinárias. 
 
Para conhecermos um pouco mais da Toca dos Gatinhos, conversamos com o Albert Viana, responsável por resgatar, levar os gatinhos para serem esterilizados, abrigar e organizar a Feirinha de Adoção. Confiram:
 
 
 
Facecão & Cia -  Quando e como aconteceu a reunião da equipe em prol aos gatinhos?
Albert Viana: Não sei se a questão se refere ao início das atividades da Toca dos Gatinhos, mas se for, a respota é que as adoções em grande escala se iniciaram em 2003.
 
Facecão & Cia – O que os gatos têm de tão especial para serem os preferidos?
Albert Viana: Cada um tem os seus motivos para preferir os gatos, mas em geral, acredito que os gatos fazem sucesso por serem delicados, graciosos e ao mesmo tempo independentes e elegantes. Do ponto de vista prático, gatos dão menos trabalho e despesa que outros animais, são limpos e a maioria adapta-se bem a ambientes pequenos.
 
Facecão & Cia – Como  vem a ser a rotina da Toca dos Gatinhos?
Albert Viana: Dá muito trabalho cuidar dos gatos, e muita despesa. Além dos gatos, cuja adoção efetuamos mais de 200 por ano, temos que cuidar da manutenção de 100 gatos, em locais diferentes. Os gatos não ficam em abrigos, e sim em lares dos voluntários.
 
Facecão & Cia - Qual foi o caso que mais emocionou a equipe?
Albert Viana: Foram vários casos, inclusive o da Moça Preta, que foi resgatada de um cano de água num dia de chuva. Uma gata tricolor adulta veio pele e osso, de um motor de um carro, e quando foi adotada estava lindinha. 
 
 
Facecão & Cia – Na opinião de vocês, quais são as medidas que poderiam ajudar a minimizar os casos de abandono de animais?
Albert Viana: Adoção consciente e castração, inclusive castração precoce. Várias gatas têm crias indesejadas porque os donos não castram antes dos 5 meses, inclusive em alguns casos, mal orientados por veterinários, que dizem que só podem castrar “depois de todas as vacinas”, etc.
Nos Estados Unidos, é comum a castração ser efetuada com 2 ou 3 meses.
Muita gente não castra por ignorância, por achar que a gata “tem que ter ao menos uma cria” , o que não tem fundamento algum, muito pelo contrário: gatas castradas antes do primeiro cio tem menos chance de terem câncer de mama.
Muitas pessoas também não castram por não encontrarem castração a baixo custo, sendo que vários veterinários fazem a cirurgia a preços populares.
O abandono também ocorre por as pessoas não levarem em conta, quando da adoção, de que gatos podem viver 15 anos ou mais.
Os motivos para a pessoa querer se livrar do gato são, entre outros: mudança de cidade ou país, problemas financeiros, presença de parente ou namorado(a) que desaprova o gato, alergia, etc.
A conscientização de que mulheres podem muito bem conviver com gatos na gravidez também faz falta. No Orkut, existe a comunidade “Grávidas e mamães com gatos” e na web há várias orientações que evitam o absurdo abandono de gatos devido a gravidez do dono.
 
 
Facecão & Cia – Quais são as formas de arrecadação de doações para custear as diversas atividades desenvolvidas? E como os novos colaboradores poderão ajudá-los?
Albert Viana: As doações podem ser exporádicas ou regulares, via apadrinhamento. Outras formas de ajudar é com produtos que utilizamos (ração, medicamentos, etc.), comprando nossos calendários e produtos que pretendemos lançar futuramente. E também, com trabalho voluntário. 
 
 
Facecão & Cia – Aos sábados, a Toca dos Gatinhos realiza uma feira de adoção. Qual o perfil das pessoas que optam em adotar um gato?
Albert Viana: Os perfis variam, mas muitos adotam porque querem mais um gato em casa, ou porque um gato idoso faleceu, o gato que tinham ficou com um parente, etc.
 
 
Facecão & Cia – Deixe uma mensagem aos leitores do portal Facecão & Cia.
Albert Viana: Cada gato tem uma beleza e um jeito particular, só dele.
Uma das coisas mais risíveis é quando ouço alguém dizer que quer adotar um gato beeeeeem pequeninho “para ser criado do meu jeito”.
Gatos adultos ou filhotões costumam ser mais carinhosos e agradecidos.
Fico triste quanto alguém chama um gato de 4 meses de “velho” e que prefere um menorzinho “para se acostumar comigo” . Tratam gatos como se fossem iogurte com data de validade.
Nós não temos nada contra a adoção de filhotes, mas é muito injusta a discriminação contra os gatos adultos, como se os filhotes não fossem um dia crescerem.
Um detalhe de fundamental importância é que não basta o adotante ser bonzinho e gostar do gato. Se morar em casa em que o gato possa escapar, e atentem-se ao fato de que gatos podem pular muros que os donos acham que são altos (podem ser altos para os donos, não para os gatos) e passarem por grades, etc.
Apartamentos precisam ser telados, mesmo em térreo ou andares baixos, senão o gato acaba caindo ou sumindo.
Os especialistas em gatos defendem, como nós, a criação “indoor”, em local fechado e seguro.
Termino com uma frase de Leonardo da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade: “O menor dos gatos é uma obra prima” (Anche il più piccolo dei felini, il gatto, è un capolavoro”).
 
 
            Calendário 2013 - Toca dos Gatinhos
 
 
 
Contato:
 
Email: tocadosgatinhos@gmail.com
 
 
Existem muitas maneiras de ajudar este projeto!
 
Deixe seu comentário:
Nome:
Comentario:
Digite os caracteres que você vê na imagem


Comentários
FACECÃO A REDE SOCIAL DO SEU AMIGUINHO - 2012 ©Todos os direitos reservardos
Desenvolvido por: ELLOS DESIGN