publicidade
Laurie Locci Pires
1-
Nome:King
Raça:Lhasa Apso
2-
Nome:Tobby
Raça: Labrador
3-
Nome:Mimi
Raça:SRD
4-
Nome:Belinha
Raça:Maltes
5-
Nome:Jeff Tweedy
Raça:Calopcita
Saúde oral de seu pet
Entrevista com Marco Leon, odontologia veterinária
Compartilhe essa entrevista  |

A Equipe Nossa Matilha entrevistou Marco Antonio Leon, médico veterinário formado pela USP (Universidade de São Paulo). Além do doutorado em cirurgia, tem especialização em odontologia veterinária, atuando na área desde 2000. Atualmente, é proprietário da clínica Dentistavet – Centro de Odontologia Veterinária e Cirurgia Oral – em São Paulo, além de ser professor convidado em diversos cursos de pós-graduação, no Brasil e no exterior. Abaixo, leia a entrevista na íntegra!

 

Qual a importância da profilaxia nos cuidados odontológicos com os animais de estimação?
 
Marco: “Assim como nós, seres humanos, precisamos de cuidados dentários periódicos, os pets também precisam. Os cuidados estão baseados na prevenção de quaisquer tipos de doenças orais através de exames especializados e manutenção de higiene dentária, como a escovação e a limpeza dentária profissional (profilaxia periodontal)”.
 
 
Nossa Matilha - Qual é a visão atual dos proprietários de animais de estimação sobre a questão da profilaxia, ou seja, quantos são os que fazem a limpeza e escovação dentária rotineira de seus animais?
 
Marco: “O número de proprietários que realiza os cuidados de saúde oral vem crescendo a cada ano. Aumentar este número é uma dura batalha dos profissionais especializados contra a desinformação, tanto do público quando de colegas veterinários que não conhecem a odontologia veterinária. Como esta área já existe, no Brasil, há 20 anos, já estamos colhendo os primeiros frutos: nova geração de médicos veterinários que entendem que a saúde oral é importante, e assim, orientarão melhor seus clientes. O número só tende a crescer cada vez mais”.
 
 
Nossa Matilha - Qual seria o esquema de limpeza e escovação indicada para cães e gatos?
 
Marco: “Para iniciar a escovação dentária, recomendamos o uso de uma gaze, enrolada no dedo, para promover ação mecânica de raspagem sobre os dentes, uma vez ao dia. Não é necessário o uso de água ou qualquer tipo de produto. Porém, o uso de pasta-de-dente veterinária, com sabor de carne, frango ou peixe, ajuda no condicionamento positivo. Aos poucos, pode-se substituir a gaze por uma escova de cerdas macias. É importante lembrar que a escovação deve ser diária ou, pelo menos, em dias alternados”.
 
 
Nossa Matilha - Quais são os atendimentos mais comuns em uma clínica especializada em odontologia veterinária?
 
Marco: “Em nossa clínica, é grande o número de pacientes que procuram o tratamento periodontal, que envolve desde as “limpezas” até tratamentos mais complicados. Além disso, realizamos muitos tratamentos de canal para dentes fraturados, e cirurgias orais para defeitos em palato. Infelizmente, também são comuns os casos de câncer de boca, e estamos preparados para atender estes pacientes também”.
 
 
Nossa Matilha - Quais os sinais e sintomas que um animal apresenta quando está com algum problema odontológico?
 
Marco: “O primeiro sintoma é o mau-hálito. Querendo ou não, muitas pessoas ainda acham que “ter bafinho” é normal em cães e gatos. E não é! Bom, quando o mau-hálito piora, as gengivas começam a ficar avermelhadas (gengivite) e sangram com facilidade. Outros sinais são a diminuição de ingestão de alimentos, a dificuldade de apreensão de objetos, salivação excessiva e dor à manipulação da boca”.
 
 
Nossa Matilha - É necessário que o médico veterinário seja especializado na área para que faça limpeza dos dentes dos animais para evitar doença periodontal?
 
Marco: “Existe uma diferença entre a “limpeza” e os tratamentos especializados. Dizemos que “limpeza” é o ato de realizar a raspagem dentária. Porém, o profissional especializado, que possua equipamento e estrutura adequada, além de raspar, realizará o polimento dentário, realizando o que chamamos de “profilaxia periodontal”. Quando necessário, poderá realizar uma, ou muitas, extrações, além de cirurgias em gengiva, e muito mais. Logo, a diferença em procurar, ou não, um profissional especializado está na qualidade do serviço. Muitos clínicos gerais participam de cursos de tratamento periodontal, e desde que tenham treinamento e equipamentos adequados, também poderão oferecer os mesmos serviços”.
 
 
Nossa Matilha - Os animais têm cáries como os humanos?
 
Marco: “É raro que cães e gatos tenham cárie, pois eles possuem uma anatomia dentária diferente do paciente humano, além de possuir um pH mais alcalino, uma dieta baseada em proteínas, e não possuírem, em sua microbiota oral, bactérias cariogênicas. Porém, quando se fornece carboidratos (doces e massas) em excesso, alguns cães podem desenvolver a cárie”.
 
 
Nossa Matilha - Em caso de fratura de dentes, deve-se tratar o canal? 
 
Marco: “As fraturas dentárias ocorrem devido a traumas causados por brinquedos muito duros, ou mesmo ossos naturais. Quando ocorre a fratura, há exposição do canal e do nervo (polpa) que causará dor ao paciente. Além disso, em algum momento, a polpa sofre contaminação, e a infecção pode se estender ao osso, e mesmo a outros órgãos. É importante o tratamento de canal para realizar o saneamento do dente, ou se for inviável, realizar a extração dentária. Mas jamais se deve deixar um dente fraturado sem nenhum tratamento”.
 
 
Nossa Matilha - Os procedimentos são feitos com o uso de anestesia geral?
 
Marco: “Quase todos os procedimentos odontológicos, em animais, devem ser realizados com anestesia geral. A anestesia geral que os profissionais de odontologia veterinária indicam é a Inalatória Monitorizada, realizada por um profissional especializado em anestesiologia”.
 
 
Nossa Matilha - Qual a incidência de câncer de boca em cães e gatos?
 
Marco: “A incidência de câncer de boca tem crescido, pois existe, aos poucos, uma maior atenção para o exame da cavidade oral. Infelizmente, é uma doença que pode acometer pacientes idosos, com o aparecimento de pequenas massas, em gengiva, que tendem a crescer se não for feito nada”.
 
 
Nossa Matilha - O mercado oferece produtos adequados (tanto em termos de quantidade, como de qualidade) para que se faça a limpeza e escovação dos animais em casa?
 
Marco: “Comparando com o mercado norte-americano, ou mesmo europeu, ainda existem muito poucos produtos destinados aos cuidados de saúde oral. Em geral, recomendamos as pastas-de-dente de uso veterinário, desde que elas contenham enzimas adequadas, que ajudem no controle da placa bacteriana. E, quanto à escova, recomendamos as de uso infantil (humano) com cerdas macias. As escovas de uso veterinário, em geral, têm cerdas muito duras, e não recomendo seu uso”.
 
 
Nossa Matilha - Embora essa área pareça estar ganhando cada vez mais importância, há uma oferta muito pequena desse tipo de serviço fora das capitais, em cidades menores. Poucas são as clínicas que fazem esse tipo de serviço e clínica especializada, há pouquíssimas, quando há. Qual seria a solução para isso? Seria o caso de uma campanha de conscientização da população? A inclusão de disciplinas e um maior foco nessa área na formação de médicos veterinários?
 
Marco: “O currículo do médico veterinário visa preparar o estudante para trabalhar em muitas áreas, desde a clínica e cirurgia de pequenos, até a inspeção de alimentos, vigilância sanitária, produção, indústria, etc. É quase impossível que uma especialidade como a odontologia ganhe um espaço neste disputado currículo, visto que o curso leva, em geral, 5 anos. O ideal é que ocorram campanhas de conscientização, nas faculdades, acompanhadas de cursos teóricos e práticos, para despertar o interesse dos estudantes em, talvez, seguir esta área. Quanto à população, sua conscientização seria uma consequência apenas”.
 
 
Nossa Matilha - Há a necessidade de formação acadêmica na área de odontologia também, além da área de medicina veterinária, para se exercer a função? Um dentista humano pode tratar animais se fizer especialização?
 
Marco: “Os cirurgiões-dentistas não têm permissão legal para tal, cabendo, exclusivamente, ao médico veterinário o exercício da odontologia veterinária. Mesmo sem cursos específicos, qualquer profissional, com algum treinamento, está habilitado, pela lei, a atuar nos tratamentos orais de seus pacientes. Para exercer a odontologia veterinária, como especialidade, é importante que o profissional veterinário participe de cursos específicos, de preferência, um curso de especialização (pós-graduação) específico em odontologia”. 
 
Nossa Matilha - Em termos de materiais e instrumentos de trabalho, é possível utilizar os mesmos materiais usados na odontologia humana? Caso contrário, há disponibilidade desse material especificamente veterinário no Brasil?
 
Marco: “Quase todos o instrumentos, equipamentos e materiais são de uso humano. Alguns instrumentos, principalmente em endodontia, devem ser de uso veterinário, devido às dimensões dos dentes de alguns de nossos pacientes. Como exemplo, sempre citamos as limas endodônticas, que são usadas para fazer canal: enquanto em humanos, a maior lima mede 31mm, em endodontia veterinária, a menor mede 60mm. Esta é uma das particularidades que costuma chamar a atenção dos cirurgiões dentistas, quando veem nosso instrumental. E claro, estes materiais são importados, uma vez que não é interessante, economicamente para as empresas, sua produção em território nacional, por possuir um mercado muito restrito de profissionais especializados”.
 
Fonte: Nossa Matilha
 
 
Deixe seu comentário:
Nome:
Comentario:
Digite os caracteres que você vê na imagem


Comentários
FACECÃO A REDE SOCIAL DO SEU AMIGUINHO - 2012 ©Todos os direitos reservardos
Desenvolvido por: ELLOS DESIGN